sábado, 18 de janeiro de 2014

Há duas sem três: Circo.

No início do ano, e depois de vários anos de interregno, fui ao Circo. 
Todos os anos o Circo Soledad Cardinali assenta arraiais no Queimódromo, mesmo aqui ao lado. Todos os anos comento que quero ir ao Circo. Todos os anos acabo a dizer "para o ano vou mesmo!".
E foi desta! 

Bilhete comprado e lá fomos nós. Chegamos a uma tenda que serve de sala de espera para o espetáculo, uma novidade que não existia no nosso tempo. Tudo é uma tentação para as crianças e um pequeno desfalque para a carteira dos pais: pipocas, algodão doce, carrosséis...

Entramos para a tenda principal, com uma arena central e bancadas que deixaram de ser bancos corridos de madeira.
O espetáculo foi tão bonito como quando era pequena. Entre tigres, acrobatas e palhaços, os números que vimos ao longo de 2h30 foram tão encantadores como eram naquele tempo. Talvez um pouco longo para crianças, que cedo ficam impacientes, mas à medida para adultos.

Esta experiência podia fazer parte da nossa Tigela, mais um relato...mas neste caso, é um Há Duas sem Três. É que a Marta gosta de Circo (como eu), mas a Luísa não.
A L. acha que o Circo tem um lado triste, associado a uma vida difícil, nómada e a animais enclausurados.
É claro que a questão dos animais é um tema delicado...mas o que me fascina é, precisamente, esse lado de saltimbanco nómada. De gente que, por amor à camisola, anda de cidade em cidade a fazer dois espetáculos por dia, para quem os quiser ver. Que vive em comunidade por amor ao Circo. Que passa de acrobata a vendedor de guloseimas sem hesitar.
É esse lado mágico que me fascina, essa dedicação cega de quem vive no Circo e é feliz numa rotina difícil, que só se faz com amor.

Para o ano, vou outra vez.


R.

Imagem daqui e ilustração de Leena Mikkola daqui.

Sem comentários:

Enviar um comentário

© dois igual a três - 2013. all rights reserved. Tecnologia do Blogger.