domingo, 15 de maio de 2016

Em jeito de desabafo #5



A Zara e as tristezas que me dá.

Todos os anos, no início da nova estação nos perdemos nos novos detalhes bonitos com que as marcas nos tentam. As wishlists são o espelho dos nossos desejos mais profundos, alguns vemos concretizados, outros ficam para sempre guardados na nossa memória visual como aquele objecto que por um motivo ou por outro foi inalcansável.

O desabafo de hoje é um misto dos dois. Um objecto de desejo há muito aguardado, que mal se cruzou com o meu olhar foi de imediato para o topo da minha lista de aniversário, recomendado como oferta às minhas pessoas mais próximas. E quando estamos rodeadas de pessoas boas, sabemos que os nossos desejos são mais fáceis de se concretizar. Na meia noite do meu aniversário, lá estavam os chinelos da zara tão aguardados. Pretos, com bolinhas, imaculados, e com um cartão que os completava tão bem e que sugeria que fossem usados na lua de mel. Mas como pode alguém pedir para aguardar de Abril a Junho para usar uma coisa que há tanto queremos?

Os dias não foram de sol, é certo, mas eu sabia que a escapadinha ao Algarve era a desculpa perfeita para infringir esta regra que, com tanto cuidado, me tinha sido sugerida. Assim foi. Quando rumámos a sul, os novos chinelos lá iam, na mala, perfeitamente acondicionados para que chegassem ao destino novos em folha, intocáveis, perfeitos.
Chegadas ao Algarve fomos recebidas com chuva mas sabíamos que à mínima aberta os chinelos da zara iam saltar da mala directamente para os meus pés. Sabem quando as coisas nos fazem sentir especiais? Que só de pensar nelas nos sentimos felizes? Estes chinelos eram isso mesmo. Um espelho da minha felicidade, das minhas férias tão aguardadas, dos dias de sol junto à piscina e das fotos de verão que guardam sempre tão bons momentos.
O sol abriu, os chinelos saltaram cá para fora. O problema é que com eles saltou também uma das suas bolinhas que de forma tão imaculada tinham resistido aos trambolhões das malas no aeroporto. Na primeira vez que os chinelos sentem os meus pés, na primeira vez que vêem os raios de sol, na primeira vez que são apresentados ao mundo, puf, os pés tocaram um no outro e a bola lá foi à vidinha dela. Só me apercebi desta perda uns bons minutos depois... Procurei, procurei e procurei, e nada. Regressei a casa de chinelos nos pés, estragados, convicta que a nossa tão querida Zara assumia o defeito e me trocava estes tão desejados chinelos. Assim foi, mais ou menos.

A compra tinha sido feita online e, para fazer a troca na loja, necessitavam de uma autorização da loja online. A autorização foi concedida e os meus olhos até brilharam. De imediato disparei mensagens a avisar que ia mesmo voltar a ter os meus tão queridos chinelos, novos, perfeitos. Fui inicialmente atendida por uma funcionária, que prontamente me quis resolver o assunto. Entre alguns períodos de espera, disse-me que existiam os chinelos na Zara do Norteshopping mas que, agora que a autorização da loja online tinha sido concedida a esta loja, Marshopping, tinha mesmo que os trocar ali, apesar de não terem esse modelo em loja. Disse-lhe que não havia qualquer problema, que passaria a buscá-los ali que até me dava mais jeito. Mas a este comentário não tive qualquer tipo de resposta ou reacção.
No processo de troca, passei do atendimento desta funcionária para a que estava na caixa, que me fez a devolução dos chinelos, tendo-me entregue um talão de comprovativo da devolução do dinheiro para a conta com que tinha sido comprado online. Perguntei como fazia para vir levantar os novos chinelos, respondeu-me que tudo o que podem fazer é uma devolução do dinheiro. Expliquei que o que eu queria era uns chinelos iguais, uma vez que se tratava de uma reclamação por defeito. Reforçou que como se tratava de uma compra online a única solução era mesmo a devolução. Fiquei confusa mas ainda assim referi que a outra funcionária me tinha até falado que existia stock noutra loja, disse que teria que ser eu a tratar do assunto, que me dava o número da Zara do Norteshopping mas que teria que ser eu a ligar. Já sabia deste procedimento para reservas normais, não esperava que para reclamação de produtos em que assumem um defeito também teria que ser o cliente a tratar de tudo. Lá saí da loja, de telefone na mão. Liguei várias vezes durante essa tarde, ninguém me atendeu. Procurei na loja online e não existiam. Sabia que a única solução ali seria acordar no dia seguinte e rumar à loja para tratar deste assunto e assegurar que tinha de volta os meus chinelos.

Na manhã seguinte lá estava eu, de referência na mão, directa a uma funcionária que me iria trazer, esperava eu, os tão aguardados chinelos. E tudo isto se torna um problema quando a resposta não é a que queremos ouvir e se torna tão bizarra quanto me dizerem que os chinelos existem em stock naquela loja, sim, mas foram retirados de comercialização, provavelmente por serem uma cópia, e que por isso não há nenhuma forma de eu os ter! Isso mesmo. 

Questiono-me em que momento a primeira funcionária que me atendeu não percebeu que eu queria mesmo aqueles chinelos, que estava disposta a ficar com eles estragados se a solução mais próxima fosse não ficar com eles de todo. Como pôde ela assegurar-me que estavam disponíveis noutra loja e depois ser confrontada com uma resposta tão crua e vergonhosa quanto me ser dito assim, de forma muito pronta e natural, que são uma cópia e foram retirados de comercialização! É este o mundo da criatividade em que vivemos hoje? Chegamos ao ponto em que é tão natural copiar que se assume assim, sem qualquer pudor, no meio de uma loja, em frente a tantos outros clientes, que se retiram produtos porque são cópias?! E triste é o meu espanto não estar na cópia, essa que tão bem sabemos é prática comum destas lojas de fast fashion, mas na crua realidade de ter que enfrentar uma verdade assim, e na consequente impossibilidade de tornar a minha wishlist um pouquinho mais verdadeira.

Hoje a minha realidade é esta. Dos meus tão queridos chinelos, resta a caixa do online e o postal que com tanto cuidado dizia que eram para usar na lua de mel. Não duraram até lá, a Zara não deixou... 

PS: a quem sabe quais são os verdadeiros chinelos iguais a estes meninos, por favor, lembrem-se da minha tristeza profunda e digam-me onde os encontrar. Podia ter perguntado à funcionária, de forma tão pronta quanto a resposta dela, mas o choque foi grande, não deu para mais.

m.*

1 comentário:

  1. Olá li o teu post esta manhã cedo e fiquei a pensar realmente: o que se passa com estas pessoas? Isto não é normal. Olha copiou-se não se pode fazer nada. Infelizmente é o tipo de marcas que se tem hoje em dia.tentei procurar sandalias parecidas mas não encontrei. Será que fizeram algum pedido de desculpa oficial ou assim?

    Beijinhos Dulcineia do www.silversandlife.com

    ResponderEliminar

© dois igual a três - 2013. all rights reserved. Tecnologia do Blogger.